DESCASO TOTAL

Ângelo Carrascosa: "Pirão não leu o estatuto do Remo"

Francamente, era só o que faltava: estatuto do Remo não é respeitado pela diretoria executiva e por um alto índice de conselheiros.
O novo estatuto azulino, que foi engendrado por um trio de operadores do direito – Altemar Paes (juiz), Domingos Sávio (promotor público) e Ângelo Carrascosa( procurador do Estado) -, tem como princípio noções de responsabilidade fiscal. É a essência da carta azulina.
Além dos três profissionais do direito, Josias Campos, profundo conhecedor dos meandros remistas, e Silas Moinho, expert em marketing, colaboraram
Em última reunião do ano passado, no mês de dezembro, o novo estatuto foi aprovado pela Assembleia Geral, e, em fevereiro deste ano, o documento recebeu o carimbo do cartório de notas.
CONDEL remista é composto de 100 conselheiros, 40 beneméritos e 10 grandes beneméritos. Com o passamento de Dhelio Guilhon abriu-se uma vaga no quadro de beneméritos. Então, hoje, há 149 conselheiros.  A vaga deve ser disputada a ferro e fogo.
Pelo novo estatuto, os 100 conselheiros devem pagar 90 reais para manutenção do órgão. 80% não pagam e chega a 85% o índice de faltosos nas últimas reuniões;
Veda venda de títulos remidos. E o presidente Pirão, em total desconhecimento da carta, solicita ao CONDEl a emissão de 2 mil títulos de sócios remidos ao preço de 2 mil reais cada um. Conselho criticou e não anuiu o pedido do presidente, que vende cadeiras da nova arena remista para as temporadas 2014/15. Ele está confrontando o estatuto que proibi o presidente de antecipar receita;
Contratos dos jogadores do elenco profissional não passam pelo Departamento Jurídico do clube.
Sobre essas incoerências da atual diretoria remista, o blog conversou com o advogado Ângelo Carrascosa, 37, que disse da sua decepção , a seguir.
TT – Estatuto.
AC – Dividir responsabilidade fiscal entre o Conselho Diretor e o CONDEL.
TT – Objetivo.
AC – Tratar o Remo como uma empresa. É este o objetivo. Todo cidadão, toda empresa tem noção de gastar aquilo que arrecada e nós colocamos isso de uma forma profissional no estatuto.
TT – Função do CODIR.
AC – Fazer proposta orçamentária e enviar ao CONDEL, que analisará e autorizará os gastos dentro das rubricas, conforme previsão de arrecadação. O CODIR tem que ter planejamento e agindo assim dividi responsabilidade com o CONDEL.
TT – A diretoria azulina segue o estatuto?
AC – Reconhecemos o esforço da diretoria em reformar Baenão, arrumando o time de futebol, mas esses acertos não podem esconder as mazelas que estão acontecendo, infelizmente a diretoria não está obedecendo… E sequer lendo o estatuto.
TT – A prova.
AC – O pedido da diretoria da emissão de 2 mil títulos remidos para que o Remo pague compromissos atrasados com jogadores. Isso causou indignação dos conselheiros. O estatuto veda (e acaba) expressamente a emissão de títulos remidos.
TT – Quem solicitou?
AC – Pelo requerimento que o presidente Manoel Ribeiro leu, foi o presidente do CODIR que solicitou, o Zeca Pirão. Ele pediu algo que o estatuto veda. Assim ele mostra que não teve o trabalho de ler o estatuto
TT – Valor?
AC – 2 mil reais cada título. Salvo engano. Mas nem colocamos em votação…
TT – O estatuto está sendo descumprido?
AC – Está. Ficamos sabendo pela imprensa que contratos de jogadores estão sendo assinados até 2015. Ele está assumindo compromisso além do que ele vai estar. Isso é vedado pelo estatuto. Não pode haver antecipação de receita se não assim ele vai quebrar o próximo presidente. Zé, ele vendeu cadeira do Baenão para duas temporadas: 2014e 2015. Eu comprei! O próximo presidente não contará com esta receita . Infelizmente, o estatuto não está sendo seguido. Pirão e sua diretoria têm mérito, mas têm errado. E os mesmos erros de presidentes anteriores e isso tem me deixado preocupado.
TT – Conselheiros não pagam taxa
AC – É verdade. E é pior ainda: o valor ínfimo de 90 reais que tem que ser pago pra que a gente tenha como o CONDEL sobreviver, eles não comparecem às reuniões. É esmagadoramente maior que 75% de inadimplência. São 20, 25 pessoas que vão à reunião do CONDEL. Nós do CONDEL estamos sendo omissos com estes conselheiros… Não pagam e não estão comparecendo.
TT – Serão notificados
AC – Serão. Ou comparecem às reuniões ou abrirão mão dos seus cargos e chamaremos os suplentes…E vamos reduzir o número de conselheiros porque é melhor ter um conselho qualitativo que quantitativo.
TT – 2 departamentos jurídicos?
AC – O Dr. Ronaldo Passarinho falou em reunião do CONDEL que nenhum contrato dos jogadores passam pelo departamento e eu não sei quem está fazendo esses contratos. Mas esses contratos deveriam passar, necessariamente, pelo departamento jurídico do clube.
TT – Sua visão
AC – A atual diretoria remista não aprendeu com os erros das administrações passadas. Só de boa intenção não basta. O Remo precisa profissionalizar sua gestão em vários aspectos e se o CONDIR não se aproximar do CONDEL, só o Remo tem a perder.
TT – Sentimento.
AC – decepção, frustração são adjetivos que podem ser utilizados. Este estatuto foi analisado e debatido com todos os seguimentos do Remo e esperávamos que o presidente fosse seguir este norte, mas a atual gestão, ao que parece, prefere acertar só do que errar com todo mundo e isso é perigoso… Eu fico triste, mas espero que todos se voltem para o estatuto porque o Remo tem muito a ganhar.
É o que há!
P.S.: A “sonora” desta matéria será rodada no programa SHOW DE BOLA, da Rádio Marajoara-AM-1130, domingo, 12h, na íntegra.

Destaques

JOGUINHO RUIM

Lima, Picachu e Paraná comemorando 1º gol bicolor

Pela Copa do Brasil, Paysandu 2 x 1 Maranhão Atlético Clube maltrataram a bola.
Aos trancos e barrancos, tecnicamente um jogo desfigurado, time bicolor nunca jogou tão mal ao comando de Mazola como o que aconteceu à noite de quarta-feira, 16, no Mangueirão.
Passes errados, falha na marcação e incompetência nas finalizações foram a tônica do time bicolor no primeiro tempo.
Os erros do time bicolor fizeram com que Kauê e Davison armassem as jogadas do time maranhense.
Paysandu começou a partida pressionando e nos pés de Lima e cabeça de Marcos Paraná estiveram as oportunidades de marcar e não fizeram.
MAC adianta a marcação e sai em velocidade e aos 8m Élton de cabeça faz 1 x 0.
Pablo, Augusto Recife e Marcos Paraná falharam nos passes e não conseguiram ter a posse bola.
Aos 37m Lima encobriu o goleiro Raniere e empatou em 1 x 1. Picachu ainda tocou na bola e sai comemorando, mas o árbitro confirmou Lima para o Paysandu.
Arnaldo Lira e Mazola Júnior não mudam suas equipes no segundo tempo.
Paysandu comete os mesmos erros, e o MAC pressiona com a entrada do terceiro atacante: Neto Alagoano no posto do volante Kauê.
Mazola tira Pablo e mete Bruninho; Marcos Paraná sede lugar a Leonardo Carvalho e este deu ânimo ao ataque bicolor.
Augusto Recife mete na área e aos 29m Leandro Carvalho, depois de duas tentativas, chuta forte para marcar o gol que determinou a vitória bicolor.
Paysandu prossegue na Copa do Brasil e aguarda pelo vencedor do jogo entre Sport e Brasília.
CONFISSÃO DE DÍVIDA
Luís Omar Pinheiro, ex-presidente do Paysandu, assina TERMO DE CONFISSÃO DE DÍVIDA em prol de HARISON DA SILVA NERY, ex-jogador bicolor em 2012, no valor de R$ 87.840,00 e a ordem de pagamento chegou à sede bicolor, à tarde de quarta-feira, 16.
O documento tem data de 28.11.2012 e foi reconhecido no cartório Diniz em Janeiro de 2013, quando Luís Omar não era mais presidente bicolor.
O documento tem assinatura, na qualidade de testemunha, de Raimundo Feliz, à época membro do Conselho Fiscal bicolor.
É o que há!

Destaques

COCHICHO

João Brigatti, 49, é um dos aplicados cochicheiros do futebol brasileiro

É mais fácil a FPF remanejar o jogo do PSC contra o São Francisco do que a delegação bicolor chegar em Belém, após o jogo do dia 21, contra o Brasília, em voo fretado.
“Espero que a Federação ajude o seu filiado, porque se o Paysandu for campeão da Copa Verde a Federação sobe no ranking nacional”, falou Wandick, presidente bicolor, ao repórter Dinho Menezes, à tarde de terça-feira, 15, no CEJU, onde time bicolor fez treino tático ao comando de Mazola Júnior.
Presidente da FPF, Antônio Carlos Nunes de Lima, está no Rio de Janeiro e participa hoje, 16, da eleição para presidente da CBF, e não atendeu ao chamado telefônico.
Maurício Bororó, presidente em exercício da FPF, disse ao blog que ao entrar em contato com a empresa que faz a logística da CBF, esta informou que não há vagas disponíveis nos voos no trecho Brasília/Belém e a solução é a delegação bicolor retornar fracionada: parte embarca na terça-feira, 22, e outra, dia 23.
“Se não for possível a delegação bicolor retornar na terça-feira , 22, a Belém, a Federação adiará os jogos do Paysandu contra o São Francisco”, afirmou Bororó.
Se a diretoria pensa no retorno da delegação bicolor de Brasília para Belém, Mazola Júnior, técnico, e João Brigatti, 49, auxiliar, comandaram treino tático em campo do CEJU – Centro da Juventude, anexo ao Mangueirão.
Marcação, passe e posse de bola foram ajustados durante o treino de uma onzena que começou com: Matheus; Picachu, Charles, João Paulo e Airton; Augusto Recife, Ricardo Capanema, Bruninho e Marcos Paraná; Jô e Lima.
Na sequência do treino, Mazola tira Bruninho e mete Zé Antônio; Héverton entra no posto de Marcos Paraná, e Jô é substituido por Djalma.
João Brigatti, 49, que em 1994 foi goleiro do Remo, hoje é auxiliar técnico do Mazola, de quem é amigo desde “piqueno”, além do conhecimento, o auxiliar é o profissional em quem o técnico titular deposita toda confiança. É fiel escudeiro. É quem prepara o “scout” (levantamento individual do time adversário). Cochicha no ouvido do técnico detalhes de uma partida de futebol.
“Não é só confiança e amizade, não! É profissionalismo! É a competência naquilo que se faz! Hoje estou na função, mas fui goleiro, preparador de goleiro durante 15 anos e é o meu segundo ano como auxiliar técnico”, confirmou o educado Brigatti, que trabalhou na Coreia, na seleção da Jamaica durante 4 anos e hoje está na Curuzu.
Hoje, no mundo da bola, técnico e auxiliar são como Tico e Teco, unha e cutícula ou champanhe e caviar. No Brasil, as duplas famosas são: Felipão/Murtosa e Murici Ramalho/Tata; e esses assistentes poucos dão entrevistas (não falam), e só aparecem cochichando ao pé do ouvido do técnico à beira do gramado.
Brigatti sorri e diz que o auxiliar técnico “está com a cabeça fria e há excesso de informações, de trabalho e o futebol evoluiu bastante”.
O futebol é uma ciência dinâmica e os seus profissionais – técnico, auxiliar técnico, preparador físico, fisiologistas e médicos – trabalham em busca da performance de uma equipe.
Hoje as grandes equipes de futebol trabalham em busca da posse de bola. Pepe Guardiola, no auge do Barcelona, chegou a ter 65% de posse de bola em partidas de futebol.
É o que há!

Destaques

“O TIRO PODE SAIR PELA CULATRA”

O Remo me deve 80 mil reais e o tiro pode sair pela culatra, diz H. Lobato

Departamento Jurídico do Clube do Remo ameaça representar contra o advogado trabalhista Henrique César Santos Lobato, 38, na OAB-PA – Ordem dos Advogados do Brasil – Secção Pará.
Conceituado advogado trabalhista, Henrique Lobato, é acusado pelo grande benemérito remista e ex-vice do departamento jurídico do Remo, Ronaldo Passarinho, de ter recebido 24 mil reais a mais em processo executado pela 13ª Vara do TRT-Pará.
Credor Henrique Santana de Souza, ex-jogador do time azulino, dos 80 mil reais que recebeu, parcelados em dez de 8 mil reais, recebeu 3 parcelas a mais: portanto, 13 parcelas.
Lobato reconhece que o Remo pagou além do que devia ao seu cliente e que houve “erro de justiça”, mas que já houve comprovação de que ele, Henrique Lobato, não deve nada o Remo, pelo contrario, é o clube que lhe deve R$ 80 mil.
Departamento jurídico do Remo solicitou ao juiz da 13ª Vara, Jorge Antônio Vieira, bloqueio da conta bancária de Lobato o que não foi aceito pelo magistrado.
Matéria postada neste blog na semana passada – REMO VAI À OAB -, conselheiro federal da Ordem, advogado Jorge Borba, revelou ao repórter José Maria Trindade, editor desta página virtual, que o assunto é “delicado” e que não compete à Ordem fazer cobranças.
“O tiro pode sair pela culatra”, disse Lobato.
Advogado Henrique Lobato, pelo telefone, convidou-me a ir ao seu escritório no centro de Belém (15 de Novembro) e recusei-me a ir e pedi que ele se manifestassse através de “emeio”, o que não fez, mas ontem, no bar do Costinha aconteceu o nosso encontro.
A seguir, na íntegra, “sonora” produzida pelo bloguero.
TT – Você recebeu 24 mil reais a mais?
HL – Na verdade, Zeca, o que houve foi um equivoco da justiça: o Remo pagou 24 mil a mais ao Antônio Santana de Souza. O pagamento foi para o Antônio Santana de Souza; não foi para o advogado Henrique Lobato. O Henrique Lobato é advogado do Antônio Santana de Souza. Eu não sou dono do crédito.
TT – De quem é a culpa da falha?
HL – É verdade que houve falha, mas a justiça notificou o Antônio Santana de Souza a devolver o dinheiro. Foi notificação pra ele, mas ele diz que está passando por dificuldades financeiras.
TT – Remo peticionou ao juiz?
HL – O Remo solicitou ao juiz da 13ª Vara bloqueio da minha conta bancária e o juiz não deferiu. O juiz da 13ª Vara (Jorge Antônio Ramos Vieira) mandou executar o Antônio Santana de Souza, que foi o beneficiário do crédito.
TT – O dinheiro foi depositado em juízo ou pago na sede do Remo?
HL – O Remo fazia pagamento mensal para todos os processos na 13ª Vara. Um desses processo era o do Antônio Santana e a justiça, equivocadamente, fez este repasse…Foi uma falha…Foi erro humano…Acontece…Mas…O Antônio me pediu para que eu peticionasse no processo que ele tem cerca de 6 milhões pra receber do Santa Cruz de Recife e eu peticionei a decisão do juiz de lá (Recife); eu juntei a sentença que condenou o Santa Cruz. Zé, ele não quer ficar devendo o Remo! Quem tem 6 milhões pra receber não fica devendo 24 mil reais!
TT – Representação na OAB-PA
HL – Estou aguardando! Estou esperando que venha alguma coisa de lá! Na verdade, Zé, não quero me antecipar muito…Deixa o Remo fazer o procedimento. Agora, eles sabem que toda ação cabe uma reação. A representação será improcedente porque eu tenho documentação…Eu vou fazer minha defesa…Eles sabem que isso pode se voltar contra…Então, o tiro pode sair pela culatra.
TT – Acordo com o PSC?
HL – Foi repactuado o acordo Jobson/Arinelson. Como o Paysandu não estava com fôlego para arcar mensalmente, o doutor Maia me procurou e nós conversamos e ajustamos 60 mil reais por mês, que eles estão ajustando amanhã (hoje, terça-feira)
TT – E os 120 mil do Remo todo dia 17?
HL – As parcelas fixas dos 120 mil reais foram pagas fevereiro e março na data ajustada…Vem pagando…A parcela fixa está em dia e os percentuais das rendas tem um “hiato” aí de jogos que não fizeram os repasses de 5%…E eu vou provocar o juízo para que o Remo deposite. Eles não estão querendo embate? Então, vou cutucar mais!
TT – O Remo lhe deve?
HL – Num processo de sucumbência, que é uma dívida direta comigo, o Remo me deve 80 mil reais. Se eu estou devendo o Remo, eles não podem pedir para o juiz para descontar dos 80 que o clube me deve? Por que o clube não faz isso? É simples! Por que o Remo não manda abater dos meus 80 mil reais? É um procedimento mais simples! Já que eu estou devendo 24 mil reais ao Remo, que se bloqueio dos meus 80 mil reais! Cobra-me! Entra com uma ação!
TT – Você é um advogado amado e odiado nos meios esportivos.
HL – Faço o meu trabalho e procuro respeitar às pessoas, os profissionais do âmbito do meu trabalho… Eu não tenho problemas com Remo e Paysandu.
TT – Eu evito ir em escritório de advogados e dirigentes, porque já pulei uma fogueira ao armaram prá cima de mim e que meu nome foi chamuscado e até hoje nunca fui à justiça falar sobre este processo de extorsão que tentarão contra a minha pessoa.
HL – Na verdade, Zeca, existe fatos, então vai-se atrás do fato, agora, é importante o contraponto. O contraponto é importante! O Remo falou, né?…que eu devo 24 mil reais, mas o Remo me deve 80 mil de honorários e prefere me achincalhar publicamente – que é isso que eles estão fazendo -, mas não estou preocupado não…O certo, Zeca, é que eles não sabem de que maneira vão chegar em mim e ficam induzindo um jornalista para me intimidar. Zé, o dinheiro não é meu…Não é meu o crédito…Não é o Henrique que está demandando…É o Antônio Santana. Agora, os meus 80 mil reais, o Remo está me devendo!

P.S.: Jornalisticamente, ninguém, mas ninguém mesmo, me induz. Trabalho em cima de fatos!

Independente e Clube do Remo jogam a primeira partida em Tucuruí, domingo, dia 20; 27, no Baenão, Remo recebe o Galo Elétrico.
É o que há!

Destaques

CR E IEC MUDAM DATAS E JOGAM EM BELÉM

F.Castro: "Datas estão disponíveis"

Jogando no Baenão, Remo venceu Paragominas de 2 x 1.
Em Santarém, São Francisco 1 x 1 Paysandu.
O Independente, no Parque do Bacurau, ganou de 2 x 0 do Cametá.
Gavião e Santa Cruz empataram em 3 x 3.
Com estes resultados, pela última rodada da Taça Estado do Pará, Paysandu e Remo chegam à fase semifinal jogando por 2 empates diante de São Francisco e Independente para disputarem a final da Taça Estado do Pará.
Segundo a tabela, Independente e Remo deveriam jogar dia 17, quinta-feira, a primeira partida da semifinal, Fernando José de Castro Rodrigues, diretor técnico da FPF, que estava no Baenão, foi consultado pela diretoria azulina e nesta segunda-feira, Independente e Remo deverão formalizar a solicitação para os dias 20 e 27.
Domingo, 20, no Mangueirão, Independente e CR; dia 27, no Baenão, Remo e Independente. Presidentes de Remo e Independente (Pirão e Delei) acertaram datas e locais em conversas telefônicas.
José Maria Trindade, editor deste, falou com Fernando Castro, pelo celular, que informou o desejo dos clubes e que não há “impedimento” porque às datas estão disponíveis.
As datas de 24 e 30 estão programadas para São Francisco e Paysandu, em Santarém, e Paysandu e São Francisco, no Mangueirão.
Fernando Castro informou ao blog que a FPF solicitou à Confederação Brasileira de Futebol que frete avião para trazer o Paysandu de volta a Belém, após o jogo do dia 21, contra o Brasília, na decisão da Copa Verde, no “Mané Garrincha”.
“Não tem vaga nos voos de Brasília para Belém e nós estamos tomando providências junto à CBF para que traga a delegação bicolor, a Belém, em avião fretado”, revelou o diretor técnico da FPF, Fernando Sérgio Castro.
Diante do São Francisco, Paysandu não se houve bem, mas manteve-se invicto havia 20 jogos.
Quarta-feira, 16, Paysandu enfrenta o Maranhão Atlético Clube – MAC –, pela Copa do Brasil, e o Papão joga pelo empate para prosseguir na competição.
Nos arredores do Baenão, muitos veículos foram arrombados.
É o que há!

Destaques

MP NÃO É O DONO DA VERDADE

Zeca Pirão diz que não é ladrão e o MP não é dono da verdade

O homem turrão, às vezes demonstra ser inflexível, eu vi cansado e reflexivo.
Antes de me aproximar para lhe dar boa-tarde, parei pra observar Zeca Pirão e por uns dez minutos percebi que ele estava conversando com seus botões. Talvez indagando: “Em que bronca fui me meter?” ou pedindo ao seu Deus ajuda para concluir às obras do Baenão.
Jogadores e funcionários querendo receber vencimentos e credores batendo à porta do estádio para cobrar parcelas de débitos.
É o caso da senhora Sulamita, filha do “seu” Lulu, dono do terreno que Pirão comprou por 300 mil reais (Travessa das Mercedes) e que não pôde pagar a primeira parcela de 100 mil reais em março. Está pagando aluguel.
(“Seu” Luís mora em Capanema e está no fundo de uma rede e a filha Sulamita, com quem conversei, me disse que espera receber o dinheiro da venda da casa para cuidar do pai)
Depois de alguns telefonemas sem obter sucesso, encontrei o presidente do Remo, quinta-feira, 10, às 17h30, sentado à beira da valeta que recebe águas pluvias que caem sobre o gramado do Baenão. Era um homem abatido!
Fiquei indeciso…Mas o instinto jornalístico me incentivava a encarar a parada…Fui em direção do cabisbaixo Zeca Pirão lhe dizendo “Boa´tarde, presidente!”
Levanta a cabeça, olha-me e diz: “Zeca, eu não sou ladrão, não sou corrupto e não sou patife engravatado! Vivo num meio em que há ladrões e patifes, mas te digo que o Ministério Público não é o dono da verdade! Você deveria ir à Câmara de Vereadores pesquisar minha vida! Eu tenho uma família que ler jornal , ver TV, ouve rádio e acessa essas coisas que eu não entendo (intrnet)…Olha o meu celular… É este pirento que só serve para atender e chamar!
Olhando na retina do homem Zeca Pirão,indaguei a ele se estava disposto a me dar uma “sonora” para o SHOW DE BOLA, da Rádio Marjoara-MA, e este blog. “Ombora”, respondeu.
A seguir, entrevista com o presidente Zeca Pirão.
TT – Desvio de combustível da CV
ZP – Na minha época não existia isso. O que havia era a distribuição de dois mil e quinhentos reais para os carros da câmara. Isso era por mês. Isso que estão falando não é da minha época e eu não tive nenhuma participação nessas negociatas. É só chegar no financeiro da câmara e perguntar quem é quem. Estou tranquilo.
TT – Está jururu comigo, presidente?
PZ – Estou triste porque às pessoas misturam problemas das pessoas com às pessoas que não têm, que é o meu caso, então fico muito triste com isso, mas a justiça será feita.
TT – Presidente, o documento saiu do MP?…
ZP – Zeca, o Ministério Público errou…Erraram porque não investigaram, não foram a fundo lá na Câmara pra saber…Eles misturaram os vereadores, os presidentes, achando que todo mundo é igual. Eu sei que teve ladrão lá…Sabe…Lá na Câmara…Então, eles deveriam perguntar quem é quem.
TT – Tem um relatório, presidente…
ZP – Sim. Tem um relatório… Prá você ver: colocaram o Vitor Cunha que não tem nada a ver…Colocaram o pai do Vitor Cunha…Olha o erro…A gestão do Vitor foi lá atrás…Não tem nada a ver com isso…É outro erro completamente vergonhoso que não foi devidamente investigado, mal interpretado e isso mexe com a vida das pessoas…Com às famílias delas.
TT – Insisto em dizer que o documento saiu do MP
ZP – Se eu fosse um cara doido eu poderia fazer uma besteira com este promotor…Entende?…Ele está denegrindo minha imagem…Tenho família…Tenho filhos…Tenho mãe…Sabe?…Sou pai, sou avô…Não vou deixar ninguém denegrir minha imagem…Pode ser quem for: juiz, promotor…Entendeu?… Se eu achar que estou sendo prejudicado na minha pessoa como ser humano tomarei todas as providências necessárias ou por bem ou por mal.
TT – Está com raiva do Tudão e Tudinho?
ZP – Eu achava que você como jornalista deveria ter investigado a fundo. O Ministério Público não é o dono da razão…Sabe?…Eles pegam isso por alto e largam…E você deveria ter ido na Câmara.
TT – Eu telefonei, presidente, pra você diversas vezes e você não me deu retorno.
 ZP– Eu sei que você me procurou, mas você deveria ter investigado antes de publicar qualquer coisa. Zeca, pesquise! Juízes e desembargadores não são donos da verdade…Quantas pessoas foram presas injustamente? Tem que investigar! Eu não sou ladrão, vagabundo eu não sou!
Pra quebrar a sisudez do presidente diante das respostas carrancundas, indaguei se o presidente estava metendo no Baenão o seu dinheiro, no que respondeu de bate pronto que não é endinheirado e que BIG BEN, BANPARÁ, NAÇÃO AZULINA, FPF e dinheiro do próprio Clube do Remo (vendas de cadeiras e camarotes) estão sendo empregados na construção do novo Baenão.
“Zeca, eu tenho um respeito muito grande pela BIG BEN, pelo Raul Aguilera e família que têm sido ótimos parceiros do Clube do Remo nesta minha gestão”.
Minha explicação: A relação do presidente Pirão para com o repórter José Maria Trindade é incestuosa. Por diversas vezes o presidente remista me evitava (percebia) e numa das vezes aconteceu no CIG – Centro Integrado de Governo –, quando Pirão e Wandick foram assinar contrato com a FUNTELPA e que lá estavam os promotores públicos Domingos Sávio e Newton Gurjão.
Ao final do encontro, Pirão se isolou, num corredor do prédio, com o promotor Domingos Sávio. Eu vi e fotografei o encontro. Voltei para entrevistar o secretário Alex Fiúza… Depois de alguns minutos vi o doutor Domingos Sávio deixando o prédio e o chamei (enquanto Fiúza respondia)… Parou e me deu atenção e fiz sinal de que queria entrevistá-lo. Ele espera.
Quando acabei de entrevistar o secretário, fui ao encontro do promotor e o indaguei pelo Pirão, e  respondeu: “ele saiu pelo fundo”. Entendi que o presidente do Remo não estava querendo se cruzar comigo.
Sobre o tema, o promotor foi lacônico: “O promotor do caso saiu de licença e vai sobrar pra mim. Não tenho em mãos o processo!”
É o que há!

Destaques

DESORDEM

Ubirajara Salgado e Ronaldo Passarinho confirma que H. Lobato deve 24 mil reais ao CR

Nesta sexta-feira, 11, na hora do almoço, no “Avenida, encontrei-me com Ronaldo Passarinho, que dividia mesa com o médico Ubirajara Salgado. Os dois são grandes beneméritos azulinos.
Passarinho confirmou que desde ano passado cobra do advogado Henrique Lobato 24 mil reais que foram pagos (a mais) a Antônio Santana de Souza, ex-jogador azulino.
Lobato representou o jogador e recebeu o dinnheiro e que agora se recusa a devolver.
“É. Realmente, essa história dos 24 mil reais é rigorosamente verdadeira. Foi a Justiça do Trabalho que disse que o Remo pagou a mais a um tal de Antônio Santana de Souza e que a justiça deu prazo de 30 dias para ser devolvido o dinheiro. Quem representou o Antônio foi o doutor Henrique Lobato. Até agora o Henrique não devolveu o dinheiro,” confirmou o ex-diretor jurídico do Remo.
Ronaldo fez questão de dizer que não é mais o diretor jurídico do Remo por estar cuidando da saúde, mas que o clube precisa de um diretor urgentemente, porque os dois advogados – Pablo e Tiago – são funcionários. “E são excepcionais”, garantiu Ronaldo.
O blog descobriu que o Remo tem dois departamentos jurídicos: do futebol que contrata os jogadores (Tiago Passos) e o departamento juridico do clube (com os irmãos Tiago e Pablo Coimbra) que defende o Remo em ações trabalhistas e cíveis. “Isso é uma desordem”, ratificou.
Em dias da semana passada, o jogador Aleilson cobrou do Pirão a majoração salarial prevista em contrato e não teve apoio do presidente porque o contrato de Aleison foi mal elaborado.
“Salário de 8 mil reais, mas se for titular por cinco (5) jogos passa a receber 12 mil reais e se for titular por mais de cinco jogos, salário de 15 mil reais”, cláusula contratual. O presidente Pirão rasgou o contrato e mandou elaborar contrato com salário de 8 mil reais.
“Este acordo não pode ser em contrato. O contrato trabalhista deve ter o salário certo. Este tipo de contrato não existe para a justiça”, disse Ronaldo.
À tarde de ontem, no Baenão, Athos cobrou aumento salarial do presidente Pirão, que teria dito: “Joga mais bola!”
Athos entrou no carro e foi embora. Não treinou.
É o que há!

Destaques

FIFA CONSTRUIRÁ CEJU

Robeerto Vargas fotografando frente da FPF,F.S.Castro, Nunes e Gregory

Chancelado pelos presidentes da Fifa, Joseph Blatter, e da CBF, José Maria Marin, dois executivos da entidade internacional vieram a Belém para assinatura do contrato da construção do CEJU – Centro da Juventude.
Gregory Engelbrecht (Senior Manager da Fifa) e Roberto Vargas( executivo da CONMEBOL responsável pelos projetos da América Latina) foram recebidos à tarde desta sexta-feira, 11, pelo presidente da FPF, Nunes, e toda sua diretoria.
Obras do CEJU começarão agora em abril, com previsão de término para final de julho.
Presidente Blatter virá a Belém para a inauguração do maior, moderno e luxuoso complexo esportivo da Amazônia.
É o que há!

Destaques

CAIU A FICHA

Em substituição a Pablo, Tiago Coimbra defenderá CR

Este post foi publicado no dia 27.03 com o título: ROLO
Astolfo Lopes jogou no Remo em 2011. Técnico era Paulo Comeli.
Goleiro Lopes é do tipo de gente braba e quando as coisas não são como quer (ou pensa) sai quebrando o que ver pela frente.
Foi assim no Remo: o apartamento alugado pela diretoria azulina para alojá-lo com a família foi danificado e o clube teve que arcar com os prejuízos, mas antes registrou BO (Boletim de Ocorrência).
Lopes desapareceu do Baenão e reapareceu no Fortaleza. Na capital alencarina ajuízou ação trabalhista contra o Clube do Remo, cobrando 520 mil reais.
A audiência aconteceu terça-feira, 25, na 14ª Vara do TRT-CE, e a principal testemunha do goleiro Lopes não compareceu.
A pedido do advogado Pablo Coimbra, que defende o clube paraense, magistrado transferiu para a 14ª Vara do TRT-PA. Nova audiência está marcada para o dia 24 de abril, 11h.
MENTIRA
Com a transferência para a 8ª Vara do TRT-PA, advogado Pablo Coimbra, patrono remista, solicitou à juíza Maria Edilene de Oliveira Franco que solicitasse ao presidente do Fortaleza, Francisco Osmar Diógenes Baquit, período de contrato do goleiro Lopes com o clube alencarino.
Terça-feira, 8, chegou à secretaria da 8ª Vara ofício oriundo da presidência do Fortaleza Esporte Clube e que o blog teve acesso em pesquisa junto à secretaria do TRT e que publica excerto: “… Em resposta ao ofício emanado desse respeitável juízo, vimos informar que o senhor ASTOLPHO JUNIO LOPES foi relacionado e participou do jogo amistoso de futebol realizado no dia 23.06.2011, às 17h, no Estádio Presidente Vargas, defendendo a equipe do Fortaleza Esporte Clube contra a equipe da Associação Trairiense de Futebol…”
Em juízo, no dia 28.08.2013, Lopes disse: “…Que o depoente permaneceu em Belém até o término de seu contrato, ou seja, 30.06.2011; e que nesta data não jogou no clube de Fortaleza, que no mês de julho assinou contrato com o Fortaleza, após o término do seu contrato com o reclamado (Remo)”.
Lopes, além de ter mentido em juízo, não contou com a presença da testemunha arrolada em processo: Antônio Adriano Antunes de Paula.
Lopes cobra do Remo R$ 522.684,47 e audiência decisiva acontecerá dia 24.04.2014, às 8h40m, na 8ª Vara do TRT-PA. Caiu a ficha do ex-goleiro remista, Lopes.
Por estar em Rio Branco, fazendo defesa do Remo em processo trabalhista, advogado Pablo Coimbra será representado pelo irmão Tiago Coimbra, que também é advogado do Departamento Jurídico remista.
É o que há!

Destaques

CR VAI À OAB-PA

Em 1º plano, H.Lobato; no fundo, na cabeceira, Pablo Coimbra

Este post foi publicado, neste espaço, no dia 13 de março com o título: ERRO DE JUSTIÇA, DIZ ADVOGDO
Clube do Remo, através do seu departamento jurídico, tenta reaver R$ 24 mil que foram pagos a mais para ex-jogador Antônio Santana de Souza.
O assunto vem sendo tratado de forma sigilosa, porque envolve advogado famoso e vitorioso em questões trabalhistas envolvendo Remo e Paysandu: Henrique Lobato, que é credor do Remo em 33 processos avaliados em R$ 7,5 mi e de mais R$ 5 mi em dois processos contra o Paysandu: Arinelson e Jobson.
Os clubes fizeram acordos e aos trancos e barrancos cumprem em conta-conciliação no TRT.
Advogados Ronaldo Passarinho, Thiago Coimbra e Pablo Coimbra, inquiridos pelo editor do blog, nada revelaram, mas funcionário azulino revelou a este que Antônio santana de Souza, em 2009, contrata advogado Henrique Lobato e cobra no TRT 150 mil reais. Processo: 16642009. 14ª Vara que tinha como titular o juiz Antônio Oldemar Coelho dos Santos.
A primeira audiência aconteceu no dia 12.01.2010, às 10h, e houve acordo entre as partes: Remo, através do advogado Afonso Carlos Paulo de Oliveira Júnior, concordou em pagar 10 parcelas de R$ 8 mil. Amaro Klautau era o presidente azulino.
10.03.2010: Remo pagou a primeira parcela de R$ 8 mil.
20.04.2010: advogado Henrique Lobato foi à sede do clube e recebeu a segunda parcela em espécie.
20.05.2010: foi paga a 3ª pacela ao advogado Henrique Lobato.
Ramo, presidido por Amaro Klautau, deixa de pagar.
Sérgio Cabeça assume e não cumpre com acordo no seu primeiro mandato.
Advogado Henrique Lobato, em 2012, reajuíza ação, que sai da 14ª Vara e vai para a 13ª, que tem como magistrada Ida Selene.
Remo pagou 24 mil reais. Portanto, devia R$ 56 mil, que foram divididos em 7 parcelas de R$ 8 mil. Acordo aceito entre as partes.
07.05.2012/29.05.2012/14.06.2012/16.07.2012/14.09.2012/11.10.2012 Remo pagou R$ 48 mil; no dia 03.12.2012 Remo quitou R$ 16 mil porque não pagou novembro.
18.12.2012 e 18.02.2013 Remo pagou R$ 16 mil. Então, Remo pagou dez parcelas. Esqueceram as três pagas em 2010. Portanto, Remo pagou R$ 24 mil a mais.
É este dinheiro que o Remo tenta reaver através do seu departamento jurídico, mas que encontra dificuldades porque advogdo Henrique Lobato alega que houve “erro de justiça”.
OAB
Ronaldo Passarinho, que ja discutiu com Henrique Lobato no interior de uma das Varas do TRT-PA sobre o tema, desistiu de esperar pela devolução do dinheiro, e de comum acordo com os advogados Pablo Coimbra e Tiago Coimbra, que defendem o clube na justiça do trabalho, levou o problema ao presidente remista, Zeca Pirão.
Este determinou que o Departamento Jurídico azulino faça o quanto antes REPRESENTAÇÃO conttra advogado Henrique Lobato perante a OAB – Ordem dos Advogados do Brasil- PA.
“Não tem mais acordo com o Henrique Lobato,  cansamos de esperar pela devolução dos 24 mil reais aos cofres do Clube do Remo e ele só faz protelar, então a solução é buscarmos a OAB-PA”, disse Pablo Coimbra.

P.S. Advogado Henrique Lobato, com quem já mantive entendimentos sobre o tema, convidou-me a ir ao seu escritório, na 15 de Novembro. Não atendi o convite…
Entendo que o assunto é pertinente, e o consagrado advogado deve mandar-me  seu depoimento para “emeio”: gostosinho1950@oi.com.br que publicarei na íntegra.
É o que há!

Destaques